Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

FacebookTwitterRSS Feed

Divulgamos texto publicado pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) sobre a escalada de agressão dos EUA e seus aliados na Síria.

"Cebrapaz manifesta grave preocupação com ameaça de guerra generalizada e agressão imperialista contra a Síria

O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) soma-se a outros movimentos da paz em todo o mundo em sua profunda preocupação e advertência diante da escalda da agressão imperialista na Síria. Sumamo-nos ao apelo e ao alerta à população mundial para o risco de uma guerra generalizada, de proporções imprevisíveis. Acreditamos ser cada vez mais urgente, sob pena de nos depararmos com uma situação irreversível, a mobilização mundial contra a iminência da guerra.

Desde 2011 assistimos à escalada da agressão imperialista contra a Síria e à deterioração acelerada da condição interna do país e da região, com a disseminação de grupos armados apoiados pelas potências imperialistas estadunidense e europeias e seus cúmplices regionais, a Arábia Saudita, Turquia e Catar, entre outros. Com a intensificação dos combates e a intervenção militar aérea - a operação Determinação Inerente (Inherent Resolve) - liderada pelos Estados Unidos, e apesar do apoio militar aéreo da Rússia - que, diferentemente da operação, foi requisitado pelo governo sírio - ou das mais recentes negociações por cessar-fogo que descarrilaram, a situação do povo sírio agrava-se, assim como a ameaça de um transbordamento ainda maior para a região ou até para o mundo.

Os EUA têm visto a Síria como mais um palco para a sua demonstração de força contra a Rússia e para a ameaça constante de escalada, vendo seus interesses na região contrapostos pela afirmação soberana do governo sírio, que recebe o apoio russo neste sentido. No início de outubro, o Washington Post vazou planos da Agência Central de Inteligência e do Departamento de Defesa dos EUA para lançar ataques secretos contra forças do governo sírio, na tentativa de contornar a falta de uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas para tal, ao que as autoridades russas responderam com uma advertência sobre as consequências dessas ações. A Rússia prepara-se para a escalada do confronto.

A Organização das Nações Unidas (ONU) tem tido prolongadas dificuldades para a entrega de assistência humanitária da qual os sírios necessitam com urgência e o Conselho de Segurança debateu neste sábado, 8 de outubro de 2016, uma proposta de resolução promovida pela França que buscava incluir a imposição de uma zona de exclusão aérea sobre Alepo, com áreas ainda tomada pelos grupos armados. A medida poderia acabar favorecendo esses grupos e o seu fortalecimento em detrimento dos esforços do governo sírio por retomar o controle da região, um dos argumentos da Rússia para o veto à proposta. Já a proposta russa de resolução também foi rechaçada; o texto abrangia a ação para todo o país e apoiava o plano do enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, de retirar os combatentes da Frente al-Nusra de Alepo e implementar os acordos sobre a Síria firmados pelos EUA e a Rússia no início de setembro. Estes aspectos foram negligenciados pela proposta da França, como ressaltou o representante russo no debate, Vitaly Churkin.

A preocupação estadunidense continua sendo a derrubada do presidente Bashar Al-Assad e o enfrentamento contra a Rússia, entretanto. De acordo com o Washington Post, com base no vazamento de informações que as autoridades estadunidenses negaram em coletiva de imprensa, a CIA e as Forças Armadas dos EUA expressaram apoio à condução de "ataques militares limitados contra o governo sírio", discutindo "opções cinéticas" -- termo cunhado por Bob Woodward em livro sobre as guerras de George W. Bush e depois empregado por Washington para referir-se eufemisticamente a ações letais e agressões militares. A cobertura midiática ocidental, entretanto, responsabiliza a Síria e a Rússia pela escalada das tensões, como verdadeiros órgãos de propaganda das alegações das autoridades estadunidenses.

Por isso, manifestamos a nossa solidariedade ao povo sírio em sua luta contra a ingerência imperialista e pela superação da sua crise política interna, apoiando os esforços por negociação para o fim do conflito internamente e os genuínos esforços para o combate determinado contra o terrorismo, que tem se disseminado pela região, causando incontáveis vítimas entre o povo árabe, transbordando também para o resto do mundo.

Mobilizamo-nos de forma decidida e enfática contra a ameaça de guerra disseminada e a militarização generalizada do planeta, com a atuação beligerante dos Estados Unidos e seus cúmplices, que promovem agressões militares e a ingerência nos assuntos internos de tantos países, provocando calamidades humanitárias, devastação e sofrimento aos povos.

Unimo-nos aos movimentos da paz em todo o mundo para envidarmos esforços resolutos para evitar a guerra e a confrontação!

Exigimos a retirada imperialista imediata do Oriente Médio e da Síria!

Exigimos o fim da ameaça de guerra generalizada!

Socorro Gomes
Presidenta do Cebrapaz"