Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

solidariedade com o povo da bolivia 2 20191119 1934596030

O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) repudia veementemente a consumação do golpe de Estado na Bolívia contra o Presidente Evo Morales, o seu governo, a constitucionalidade democrática e o povo boliviano.

Trata-se, como o CPPC anteriormente denunciou, de mais um passo na concretização da agenda de desestabilização dirigida a partir de Washington contra os povos e países que, na América Latina e Caraíbas, têm protagonizado processos de afirmação de soberania, de progresso social e de cooperação.

Campanha desestabilizadora dos EUA que visa agora, a partir de uma operação golpista e em conluio com as forças anti-democráticas bolivianas, a reversão dos importantes avanços alcançados nos últimos anos pelo povo boliviano, sob a presidência de Evo Morales e o seu governo, como o crescimento económico ao serviço do povo, a redução da pobreza e das desigualdades sociais, a garantia de direitos sociais, como a saúde e a educação, e dos direitos dos povos indígenas, a nacionalização de recursos energéticos, o fortalecimento do papel das empresas públicas ou uma relação de paz e de cooperação entre os povos deste subcontinente.

 

O golpe de Estado ontem consumado vinha sendo preparado desde há semanas, entrando em execução no próprio dia das eleições gerais de 20 de Outubro, que reelegeram Evo Morales como presidente do Estado Plurinacional da Bolívia, primeiro, contestando os resultados e exigindo novas eleições; depois, forçando a renúncia de Evo Morales; e posteriormente, tentando impedir a sua participação em novos atos eleitorais – apesar das diversas iniciativas de Evo Morales, legitimo Presidente, para o encontrar de uma solução política, no quadro da constitucionalidade democrática da Bolívia, incluindo com a convocação de novas eleições.

O processo golpista que envolveu as hierarquias militares e policiais, responsáveis de grandes empresas e grupos armados de cariz fascista, ficou marcado pela violência contra forças políticas e sociais, dirigentes e ativistas e familiares de ministros e outros responsáveis, com a conivência das forças da polícia e militares bolivianas.

Reafirmando, neste momento, a sua solidariedade para com o povo boliviano e as forças democráticas e amantes da paz da Bolívia, o CPPC denunciará em Portugal o golpe que ditou o afastamento de Evo Morales e pugnará junto das autoridades portuguesas para que estas se posicionem em defesa da reposição da legalidade democrática naquele país.

Direção Nacional do CPPC

#ElMundoConEvo