Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

FacebookTwitterRSS Feed

O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) saúda o 44.º aniversário da Revolução de Abril reafirmando o seu firme apego aos seus valores, realizações e exemplo. Afirmação soberana da vontade do povo, Abril representou a conquista da liberdade e da democracia, o fim da guerra colonial e a paz, uma economia ao serviço da melhoria das condições de vida do povo, a conquista e o usufruto de inúmeros direitos sociais, incluindo a elevação cultural da população, mas também o desenvolvimento de uma política de paz, amizade e cooperação com todos os povos do mundo.

Entre os muitos milhares de portugueses que, durante 48 anos, se opuseram à ditadura fascista, enfrentando perseguições, prisões, torturas ou o exílio, estiveram muitos partidários da paz, que levantaram bem alto as bandeiras do desarmamento, da solidariedade com os povos vítimas de agressão, pelo fim da NATO – que, recorde-se, a ditadura fascista integrou –, da guerra colonial e pela paz. As suas reivindicações fundamentais foram plasmadas, em 1976, no artigo 7.º da Constituição da República, que consagra, entre outros aspectos, que Portugal se deve reger nas relações internacionais pelos princípios da independência nacional, da igualdade entre os Estados, da solução pacífica dos conflitos internacionais, da não ingerência nos assuntos internos dos outros Estados; que Portugal preconiza a abolição do imperialismo, do colonialismo e de quaisquer outras formas de agressão, domínio e exploração nas relações entre os povos, bem como o desarmamento geral, simultâneo e controlado e a dissolução dos blocos político-militares; que Portugal reconhece o direito dos povos à autodeterminação e independência e ao desenvolvimento.

Hoje, como poucas vezes antes com semelhante urgência, é fundamental defender e retomar os caminhos de Abril, também no que a estas questões diz respeito. O agravamento da tensão e retórica belicista, a corrida aos armamentos, a proliferação de bases militares em território estrangeiro, a continuada ingerência e chantagens sobre países soberanos, o fomento de guerras de agressão, são práticas que põem cada vez mais em risco a paz e a segurança internacionais.

Participe com o CPPC nas comemorações populares do 25 de Abril:

Coimbra
Praça da República, 28 (junto à Delegação do Sindicato dos Professores da Região Centro), pelas 14h30

Faro
Mercado Municipal de Faro - 16h

Lisboa
Marquês de Pombal / Duque de Loulé (frente ao Banco do Brasil) -14h30.

Porto
Largo Soares dos Reis (junto a estátua de Virgínia de Moura, frente ao Museu Militar) - 14h30