Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

  cppc visitou a palestina de 28 marco a 3 de abril de 2019 2 20190410 1011004817

O CPPC deslocou-se à Palestina a convite do Sr. Embaixador da Palestina em Portugal de 28 de março a 3 de abril de 2019, integrado numa delegação do Movimento dos Municípios pela Paz composta por representantes das Câmaras do Fundão, Soure, Seixal, Moita, Cuba, Évora, Lagoa e Loulé, tendo tido reuniões com Governadores e Presidentes de Câmara de diversas cidades e com representantes da Universidade e de agricultores.

Nesta visita constatou-se as dificuldades que o povo palestino enfrenta no seu dia a dia devido à ocupação ilegal que Israel exerce sobre o seu território, à revelia de várias resoluções da ONU, nomeadamente devido ao controlo de centenas de check points, existência dos colonatos que limitam a utilização da terra, limitação do fornecimento de água e eletricidade, de construção de casas e escolas, destruição de colheitas, provocações e prisões de milhares de homens, mulheres e crianças que não se resignam a esta violência e humilhação.

 

Foi-nos afirmado que a questão palestina não é uma questão religiosa, pois em muitas cidades vivem, em grande harmonia, pessoas de religião judaica, cristã e islâmica e que o povo palestino quer paz no seu território, quer ser livre e viver com dignidade sem humilhações e vai continuar a lutar por estes objetivos.

A delegação portuguesa afirmou o seu empenhamento em continuar a lutar para que o governo português reconheça o Estado palestino independente nas fronteiras de 1967, tendo Jerusalém Oriental por capital, com uma solução justa da questão dos refugiados, de acordo com as resoluções da ONU e com a recomendação da Assembleia da República.