Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

medio oriente defesa da justica e da paz porto 1 20201019 1840660964
Decorreu no Palacete dos Viscondes de Balsemão, no Porto, no passado dia 12 de Outubro, a Conferência: "Médio Oriente - Defesa da justiça e da paz", iniciativa do CPPC - Conselho Português para a Paz e Cooperação.
Foi um animado debate que contou com a participação, entre outros, de Ilda Figueiredo, presidente da DN do CPPC, do escritor José António Gomes, do jovem Luis Miranda e da palestina Nur Latif, tendo-se condenado a ofensiva do imperialismo na região, com especial destaque para os EUA e seus aliados da União Europeia, que tiveram na invasão do Iraque um ponto fundamental do ataque na região, que depois alastrou pela Líbia, Síria, Líbano e que sempre protegeu Israel na ocupação da Palestina, não esquecendo a intervenção da Arábia Saudita no Iémene e o papel da Turquia.
Destacada de modo especial foi a ofensiva contra a Palestina tendo-se reafirmado as posições que o CPPC defende na defesa do direito soberano do povo palestino a um estado soberano e viável de acordo com as fronteiras anteriores a 1967 e a capital em Jerusalém Oriental, o cumprimento das resoluções da ONU, a libertação dos presos políticos palestinos das cadeias israelitas, o fim dos colonatos e o direito de regresso.
Foi igualmente exigido que o governo português cumpra o direito internacional e o artigo 7º da Constituição da República Portuguesa, que reconheça a Palestina como estado soberano e que aja na defesa da cooperação, desenvolvimento e desarmamento e não pelo apoio à ingerência, retirando as tropas portuguesas de países da região, e assinando e ratificando o Tratado de Proibição de Armas Nucleares.
A sessão terminou com um apelo a que todos os amantes da paz se envolvam cada vez mais na defesa da paz, neste tempo tão complexo que estamos a viver.